segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Deus tem um plano para a sexualidade?

Por: ALMAS, A. C. 

Ao longo da história, o homem tem se perguntado sobre o sentido e o fim último da vida, da existência, do tempo, do amor, do bem e do mal e, também, da sexualidade. Sobretudo, parece que ultimamente, mais do que questionar outras coisas, se questiona sobre a sexualidade. Basta ver os outdoors nas avenidas, os comerciais na televisão, abrir qualquer revista, para encontrar alguma coisa sobre a sexualidade. Infelizmente, não procuramos informações sobre a sexualidade com o Criador da mesma, mas com outros aprendizes que só têm “meias verdades”, para não dizer “mentiras completas”, que inclusive nos fazem pensar que Deus não tem nada a ver com a sexualidade e acreditamos que “outros” podem ter uma melhor explicação sobre este tema.

Porém não é assim, podemos observar atualmente duas posturas extremistas e equivocadas sobre a sexualidade:
1. Em um extremo, encontra-se a postura hedonista e utilitarista, na qual o único objetivo é satisfazer os impulsos e os sentidos, o mais importante é o prazer e a gratificação física, que EU me sinta bem. O mais grave desta postura é reduzir as pessoas a simples objetos sexuais e meios para atingir o bem-estar.

2. No outro extremo, encontramo-nos com a postura que vê a sexualidade como um tabu, como algo que causa vergonha, que é sujo e indigno, que somente se pode tolerar para a procriação, alguma coisa parecida com “um mal necessário”.

Ambas as posturas são erradas, já que a concepção CORRETA DA SEXUALIDADE (por assim dizer) é a que dá a este aspecto da vida seu justo valor como um dom de Deus, ofertado ao homem para fazê-lo co-participante da criação por meio da fecundidade que surge da entrega de amor esponsal entre o homem e a mulher.

A sexualidade concorda com o plano de Deus quando respeita seus dois fins: UNITIVO E PROCRIADOR.

- UNITIVO: isto é, quando a sexualidade é um meio para expressar amor. Por exemplo, os esposos "quando exercem sua sexualidade" realizam um ato de entrega e, portanto, é bom e lícito que gozem do prazer que a relação sexual implica. De fato, este prazer físico também é uma capacidade que Deus dá ao ser humano e que tem como finalidade a união dos esposos.

- PROCRIADOR: ou seja, que está aberto à vida. Ter a consciência de que o amor em si mesmo é fecundo.

Neste sentido, a sexualidade em si não pode ser considerada como alguma coisa “má”, ao contrário, desde sua origem provém de Deus e, por natureza, é BOA; inclusive, por estar unida à fecundidade, poderíamos chamá-la “sagrada”. No entanto, não devemos esquecer o fato de que, devido à natureza decaída do homem e como conseqüência do pecado original, a sexualidade, enquanto não for corretamente entendida e não estiver dirigida e integrada ao amor, pode chegar a ser uma ocasião de pecado, isto é, pode prejudicar a relação de amor entre Deus e o ser humano. Vale a pena lembrar que embora “a carne seja fraca”, todo homem possui a faculdade da liberdade, a vontade e a inteligência que lhe permitem viver a sexualidade conforme o desígnio de Deus.

Se tivermos alguma dúvida sobre o desígnio de Deus para a sexualidade, podemos aceitar como guia o sexto e o nono mandamento da Lei de Deus, para que desta maneira descubramos que a sexualidade faz parte de nossa natureza, sendo uma forma de ser pessoa, e que o ato sexual, exclusivo do matrimônio, é um presente de Deus para o amor. E, como se fosse pouco, leva implícito o dom da fecundidade. Portanto, a sexualidade é BOA porque nos faz semelhantes a nosso Criador, nos faz ser realmente imagem de um Deus que AMA e que dá VIDA.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu Comentário