domingo, 15 de janeiro de 2012

Intercessão com Jesus

Nossa caminhada sobre o Sacerdócio Régio, sobre o intercessor que é chamado, é eleito para assumir com Cristo, o sacerdócio de intercessão pelo seu povo, o intercessor que tem no seu ministério todos os outros ministérios e que se torna um co-responsável pela ação do Espírito Santo, pela nossa abertura ao Espírito e pela salvação dos homens. Meu irmão essa é a grande responsabilidade, a responsabilidade pela salvação dos homens, e é lindo saber que você, intercessor, você é missionário, você é ministro de cura, você é ministro de música, você é pregador, você é ministro de aconselhamento, você é tudo o mais o que Deus lhe disser, é muito lindo e eu lhe agradeço muito por saber que você participa do nosso ministério, e por saber que sem você, o Senhor certamente não teria como derramar tantas graças sobre a Igreja do Brasil e especialmente através da Renovação. 

O intercessor deve assumir, não só os carismas do Espírito, mas também esse poder de intercessão, esse poder de libertação em nome de Jesus. O intercessor aberto ao Espírito vai sempre estar intercedendo segundo a vontade de Deus e vai poder dar sinais de consolação da sua intercessão às pessoas que sofrem, às pessoas que têm ministérios e que precisam de um estímulo, como é lindo você receber um cartãozinho do intercessor não mandando um recadinho, mas dizendo: "eu estou orando por você, esteja firme, o Senhor te ama e te quer". Coisas assim que digam, "meu irmão você não está só, eu como intercessor assumi o sacerdócio de Cristo, eu como intercessor me aniquilo por você, não intercedo só com palavras, eu intercedo com minha vida, com a minha penitência, com os carismas do Espírito Santo para o perdão dos pecados e para sustentar o seu Ministério". 

Em Hebreus 5,2 que diz que o sacerdote sabe compadecer-se dos que estão na ignorância e no erro, porque também ele está cercado de fraqueza, por isso ele deve oferecer sacrifícios tanto pelos próprios pecados quanto pelos pecados do povo. É muito lindo, mas o mais importante é isto, ninguém se aproxima desta honra senão aquele que é chamado por Deus como Aarão. Então vamos aos pouquinhos, o intercessor, o sacerdote, aquele que participa do sacerdócio comum pela graça do batismo, aquele que é sacerdote com Cristo, aquele que tem o sacerdócio régio pela graça do batismo, aqueles que pela graça sacerdotal do batismo pedem a Deus constantemente com sua vida e com a graça atual para que os seus irmãos cresçam para Deus, para que a Igreja de Jesus se expanda no mundo inteiro, para que os outros ministérios ajam com poder e com eficácia. 

Esse intercessor tem como características aquela compaixão da qual nós já falamos, ele sabe compadecer-se dos que estão na ignorância e no erro, São Paulo nos diz aqui ou quem quer que tenha escrito a carta aos Hebreus, ele não diz que se compadecem dos que estão sofrendo e chorando, ele diz que se compadecem dos que estão na ignorância e no erro, porque eles também estão cercados de fraquezas. E aqui meu irmão entra algo muito importante na vida do intercessor que quer estar unido a Cristo. Você sabe muito bem que a graça do Batismo que lhe fez intercessor, essa graça justifica os seus pecados, caso você seja adulto, retira de você o pecado original, caso você seja batizado na infância, porém como você continua vivendo na carne, como você está aqui nessa terra igual a mim, você ainda é sujeito a concupiscências, e o Catecismo da Igreja é muito claro quando fala do batismo, que essas concupiscências foram deixadas para que você possa batalhar por Deus, para que você possa vencer o mal, pra que você possa provar o seu amor a Deus. É muito linda sabedoria de Deus. 

Deus nos dá a graça santificante no Batismo, Deus dá todas as graças atuais das quais necessitamos, e Deus quer deixar também para nós o mérito; claro, todo mérito vem de Jesus Cristo e eu não tenho como merecer nenhum caroço de feijão apodrecido, a não ser em Jesus Cristo. Mas Deus quer ver o mérito da nossa vontade incorporada a Cristo, advinda de Cristo, consentindo somente em Cristo, mas Deus quer deixar para nós a chance de nós provarmos o nosso amor a Ele resistindo a concupiscência do poder, do prazer e do possuir, porque tudo o que o intercessor vence, é a vitória da Igreja inteira, tudo o que você como intercessor vence de pecado, de fraqueza, de imperfeição, quando você como intercessor, como batizado, quando você vence, eu também venço. Uma meninazinha lá no Japão também vence, um lá na Indonésia também vence, outro lá no Alasca também vence. 

Como intercessor você une-se a Cristo intercessor no ministério da sua Igreja e cada vez que você prova o seu amor a Jesus vencendo a concupiscência do poder, do prazer e do possuir, cada vez que você vence por amor a Jesus, provando o seu amor a Jesus, inserido em Jesus intercessor, configurado a Cristo, mais poder ter a sua intercessão, porque mais santo você fica. Escute meu irmão, não é verdade essa história de dizer: Ah! Tanto faz ser santo como um pecador, a intercessão tem o mesmo valor. Desculpe-me, isso não é catolicismo. 

A Igreja Católica acredita que pelo batismo foi nos dada a graça santificante, porém foram deixadas as concupiscências para que ao vence-las nós provássemos o nosso amor a Deus e nos tornássemos mais santos, quanto mais você é vitorioso sobre o pecado, quanto mais você combate na sua vida, a sede de ser amado e de ser apreciado ou de possuir isto ou aquilo, de ter este ou aquele prazer como a gula, o sexo, a vontade de aparecer, a vontade de vestir-se muito bem, de ter uma vida muito boa, muito confortável, com muito dinheiro, muita “paz”, quanto mais você vence essas idéias falsas na sua vida, mais você diz: Jesus, eu te amo, eu te amo, eu te amo e corresponde a graça do batismo com a sua vontade dizendo: eu não quero o pecado, eu quero Jesus; quanto mais você se torna assim parecido com Jesus, quanto mais pela vitória sobre o pecado, você se configura a Cristo e se torna mais um com Ele, mais a sua vida tem poder de intercessão, mais sua oração tem poder, quanto mais santo você é mais sua oração tem poder diante de Deus. Essa é uma verdade na qual a Igreja Católica crê, chama-se mérito. 

A graça do Batismo você responde com a sua vontade e responde com o seu mérito aderindo a Jesus Cristo, e mais Jesus vai fazer você viver a graça do seu Batismo, e mais o Senhor vai partilhar da Sua natureza divina com você através dos sacramentos lhe dando a graça sacramental, através de você lhe dá o que seus irmãos precisam naquele momento para ser mais santos. Uma graça atual só tem sentido se leva uma pessoa a ser mais santo. Deus só vai lhe dar uma graça de cura, Deus só vai lhe dar uma graça de arrependimento se isso lhe levar a ser mais santo, Deus só vai lhe dar a graça de ter essa ou aquela questão resolvida, de ter esse ou aquele problema solucionado se isso for contribuir para sua santidade. Quanto mais você intercessor, vive essa perspectiva mais você está configurado a Cristo que só queria fazer a vontade do Pai e mais a sua intercessão vai ter poder, por isso é preciso que o intercessor peça a Deus que lhe tire toda a cegueira espiritual, para que, como diz em Hebreus, você saiba que está cercado de fraquezas. 

É uma grande graça conhecermos os nossos pecados, é uma grande graça que você intercessor, e eu digo: mais que graça, é uma grande necessidade que você intercessor, peça a Deus que tire toda essa cegueira espiritual, que lhe dê uma consciência muito refinada, muito clara, muito rigorosa no sentido de detalhes do próprio pecado; é preciso que você intercessor, esteja cercado de fraquezas e então você vai poder oferecer sacrifícios a Deus pelos seus próprios pecados e pelos pecados do povo e você vai poder compadecer-se dos que estão na ignorância e no erro porque você também é fraco. O intercessor orgulhoso, altivo, cheio de si, não é um intercessor com Jesus; o intercessor que acha não ter pecado é um pobre pecador, então para que você intercessor, possa se compadecer dos que vivem na ignorância e no erro, no erro que é não conhecer Jesus, para que você intercessor possa oferecer sacrifício da sua vida pelo seu próprio pecado e pelo pecado do povo que não conhece Jesus, você deve pedir a Deus no seu aniquilamento, que pela penitência, você deve pedir a Deus o aniquilamento pelo conhecimento do seu próprio pecado, da sua própria fraqueza. Talvez a maior das penitências seja essa constante consciência do seu nada e da misericórdia de Deus que aumenta quanto mais você sabe que não é nada. 

Santa Teresa de Jesus falava sempre, que seu maior sofrimento era ver que ela não era nada, que ela era pecadora, fraca, infiel, e que era cheia de imperfeições, fraquezas e pecados, e quanto mais ela via esse seu pecado, mas Deus derramava sobre ela a sua misericórdia. Esse era um sofrimento gozoso porque ela sofria pelo seu pecado, mas se alegrava com a misericórdia de Deus. Isso é essencial para um intercessor, como diz em Hebreus, se o intercessor não tiver esse sofrimento ele não vai ter como se compadecer com a fraqueza do povo, e vocês devem se lembrar de Jesus que chorou olhando para Jerusalém, chorou porque Ele iria ser morto, Ele sabia que apesar de Jerusalém acolhê-Lo com palmas, Jerusalém havia de fazer com Ele a maior das traições. Para que você também tenha essa misericórdia é preciso que você experimente a misericórdia de Deus. Jesus foi feito a misericórdia do Pai, a figura humana da misericórdia do Pai, o intercessor que intercede com Jesus é aquele que assume no seu coração a misericórdia de Deus pelos homens, a misericórdia de Jesus que dá sua vida. E ter a consciência que o pior pecador é ele próprio, o próprio intercessor, o primeiro a ser pecador é o intercessor, e pedir a Deus a graça constante do arrependimento do pecado, daí o intercessor a cada dia, pelo menos uma vez por dia , deve pedir perdão a Deus, rezar muito o Salmo 50, pedir a purificação do pecado, pedir para ver os pecados. 

O Salmo 50 diz no final uma coisa muito linda sobre a intercessão, “Senhor restituí-me a alegria da salvação”, e no versículo 19, “o meu sacrifício, Senhor, a minha oferta a Ti, o meu sacrifício a minha oferenda pelo pecado da humanidade, a minha oferenda pelo meu próprio pecado, é um espírito contrito, um espírito que tem consciência do seu próprio pecado, porque um coração arrependido e humilhado, ó Deus, não haveis de desprezar”. 

Nós conhecemos as várias passagens da escritura que Deus condena aquele que pede com o coração rico. Deus diz claramente em Eclesiástico que não ouve a oração do orgulhoso e pronto, lá no Evangelho, nós temos aquele exemplo do publicano e do fariseu, onde Deus nem escuta o que o fariseu está dizendo; temos também a figura de Madalena arrependida aos pés de Jesus que é plenamente ouvida, enquanto os fariseus que estão ali do lado oferecendo o jantar para Ele não entendem nada e não entram no Reino dos Céus. 

Assim, o intercessor, para participar do aniquilamento de Jesus, da humilhação de Jesus, para chegar até a morte de cruz, porque ele participa da encarnação de Jesus pelo aniquilamento, pela sua penitência, pela penitência de vida, vida entregue a Deus, ele participa da vida pública de Jesus pelos carismas, pela intercessão para que os carismas ajam na Igreja como sinal de salvação, mas pra dar o passo e participar da cruz de Jesus, o intercessor deve constantemente passar pelo arrependimento concreto, constante e perfeito dos seus pecados, o sacrifício constante do intercessor a Deus, além da Eucaristia, esse sacrifício que ele oferece a Deus, como oferta pelo perdão dos seus pecados e dos outros, é um sacrifício de um espírito contrito, de um coração arrependido e humilhado, porque esse espírito contrito, Deus não despreza!!! 

Eu tenho muita pena quando vejo alguns intercessores usando trilhões de palavras, vão interceder, às vezes estamos na capela entra um intercessor; aí você já saber, “tatatatatatatatatatatatata”, e tira um papelzinho, e tira outro, e faz, e reza, e ajoelha, e reza o terço e não para de falar nem um minuto...! Glória a Deus, tudo bem desde que, ele tenha um espírito contrito e um coração arrependido e humilhado, Deus não vai desprezar. 

Um intercessor arrependido, que tem consciência do seu pecado e de como ofende a Deus com o seu pecado, ele vai entender a fraqueza do povo e vai poder oferecer esse sacrifício pelo povo, ele pode até botar todos aqueles papéis dentro de um saco e rezar: " eu pecador confesso a Deus com um coração contrito"... talvez esta oração seja mais ouvida por Deus do que mil palavras sobre qualquer um daqueles papeizinhos que estão ali. É claro que o intercessor tem que ser concreto, tem que pedir coisa por coisa, intenção por intenção, intenção por intenção daquilo que o mundo necessita, intenção por intenção da impiedade do mundo inteiro, ele tem que ser concreto diante de Deus; porém não é isso que vai fazer ele ser ouvido e sim um coração humilhado, um espírito contrito, é esse o sacrifício que ele oferece por Cristo, com Cristo e em Cristo. 

Assim meu irmão, minha irmã, o intercessor deve ter sempre diante de si o seu pecado, é ainda o que o Salmo 50 vai dizer “Diante de mim está sempre o meu pecado”. Então é o reconhecimento de que eu sou pecado que por mais que eu faça o meu pecado é tão profundo que diante de mim ele sempre aparece, aparece até mesmo antes de eu aparecer, mas também ele está diante de mim como algo que eu vejo, como algo do qual eu me arrependo, como um ato de humilhação e de aniquilamento diante de Deus. A importância de uma vida de intercessão arrependida, e relendo o versículo 5 nós saberemos nos compadecer dos que estão na ignorância e no erro, porque também nós estamos cercados de fraquezas. Vemos a nossa fraqueza então nós temos compaixão de quem é fraco, por isso nós poderemos oferecer sacrifícios pelos nossos pecados e pelos pecados do povo. Ai do intercessor que não reza por si próprio, ele tem que rezar pela sua conversão e pelo seu arrependimento, e aí o versículo 4 vai dizer: “Ninguém se apropria desta honra, senão somente aquele que é chamado por Deus como Arão”. Meu irmão está aqui a palavra de Deus que ao batizar você lhe dá uma vida de intercessor, no seu caso lhe dá o ministério de intercessão, a missão de interceder pela humanidade inteira que infelizmente ainda não crer em Deus como deveria. 

Vamos passar para o versículo 7 de hebreus 5, que diz: “Nos dias de sua vida mortal Jesus dirigiu preces e súplicas entre clamores e lágrimas àquele que O podia salvar da morte e foi atendido em sua piedade, sim Jesus ressuscitou, mas Ele passou pela morte, embora fosse filho de Deus aprendeu a obediência por meio dos sofrimentos que teve e uma vez chegada ao seu término tornou-se autor da salvação eterna que todos Lhe obedecem, porque Deus O proclamou sacerdote segundo a ordem de Melquezedeque. 

Agora vem o nosso próximo passo na intercessão com Jesus: Jesus se tornou sacerdote porque mediou nossa reconciliação com Deus, Ele fez altar porque o sacrifício se deu em sua própria Cruz, sobre o seu próprio corpo, na sua cruz, e até hoje isso acontece na Eucaristia, como veremos, e vítima porque Ele foi o cordeiro oferecido ao Pai. 

Você meu irmão(ã) intercessor também é chamado a ser uma hóstia viva, isso significa que você é chamado em sua própria vida a ser uma oferenda viva e constante a Deus, você encontra isto em Romanos 12 que é um capítulo que nós devemos ler todos os dias para enxergar os nossos pecados, São Paulo diz: “Eu vos exorto pelas misericórdias de Deus a oferecerdes vossos corpos em sacrifício santo, agradável a Deus, é este o vosso culto espiritual, não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso espírito para que possais discernir qual é a vontade de Deus, o que é bom, o que Lhe agrada, o que é perfeito”. Você vê que essa passagem resume quase tudo que vimos na fita passada, mas aqui eu quero falar sobre o sacrifício vivo, sobre a hóstia viva que você deve ser em seu corpo, quer dizer na sua vida enquanto você vive nessa terra, os santos do céu intercedem por nós, as almas do purgatório intercedem por nós e nós intercedemos por elas, porque elas já não podem merecer, então nós devemos aqui na Terra merecer o que elas não podem mais merecer, em contrapartida, elas vão interceder por nós para que possamos alcançar a vida eterna. Mas enquanto nós estamos aqui na Terra nós devemos oferecer a nossa vida, os nossos corpos, em sacrifício vivo, santo, que quer dizer constantemente arrependido, e agradável a Deus. 

E entro com você aqui, na Paixão de Jesus. O intercessor precisa compreender qual é a paixão da qual ele é chamado a participar como hóstia viva, e aí mesmo antes de entrar na paixão eu vou com você para Colossenses, e você também deve ler Colossenses para que compreenda o chamado altíssimo que Deus lhe fez. Colossenses 1,20 vai dizer: “Por intermédio de Cristo aprovia Deus reconciliar consigo todas as criaturas, por intermédio daquele que ao preço do próprio sangue na cruz restabeleceu a paz a tudo quanto existe na terra e no céu”. Então o primeiro ponto a cruz de Cristo restabeleceu a paz, você é chamado como intercessora a participar da cruz de Cristo para restabelecer a paz no mundo, e claro você sabe que a paz é o reino dos céus, paz é salvação, a paz consiste em que todos creiam em Deus e sejam reconciliados com Ele. Em Colossenses 24, nós temos outro versículo importante: “Agora me alegro no sofrimento suportado por vós, vós aí da cidade de Colossos, o que falta as tribulações de Cristo completo em minha carne por seu corpo e igreja, eu me alegro pelo sofrimento suportado por vós”. É o mistério da cruz de Cristo, o mistério da cruz não se resume a contemplar o sofrimento de Cristo, não! O mistério da cruz de Cristo se resume em desejar participar da cruz de Cristo. O intercessor não é só aquele que contempla o sofrimento de Cristo, também porque pela contemplação Deus lhe dá a graça que ele necessita e essa graça é a graça de alegrar-se com todo sofrimento suportado por amor do povo de Deus, a graça de participar na cruz de Jesus suportando por amor do povo de Deus, completando como Igreja a parte que foi deixada a Igreja pela concupiscência, Deus pelo batismo deixou as concupiscências para que com a vitória das concupiscências, ainda com mais sofrimento, pelo arrependimento, pelo pedido de perdão de pecado, pela vitória sobre todo o mal, o homem através deste bendito sofrimento pudesse se alegrar completando com Igreja, aqui nessa vida aquilo que faltou as tribulações de Cristo. 


Fonte: http://www.comshalom.org/formacao/exibir.php?form_id=1218

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu Comentário