PUBLICIDADE

Arma de ataque !!!

sexta-feira, 5 de agosto de 2011


A INTERCESSÃO COMO ARMA DE ATAQUE E DE DEFESA

“Porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim
contra os Principados e Potestades, contra os dominadores       
deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes” (Ef 6.12).
 O inimigo de nossas almas vive em constante batalha, para levar a efeito os seus planos diabólicos, aproveitando-se do desconhecimento de muitos, que pela falta de intimidade com Deus, despreza a Armadura do Senhor deixada a nossa disposição, com a qual estaremos revestidos para o embate contra o inimigo.
 A Igreja de Cristo, tendo como principal Missão, dar continuidade da Obra que Jesus iniciou (I Jo 3.8b), necessita agora de um revestimento espiritual para assumir o seu papel de intercessora, tendo em vista a importância das suplicas e orações em favor dos necessitados “Muito pode, por sua eficácia, as suplicas dos justos” (Tg 5.16). Desta forma, iremos considerar alguns aspectos que demonstram a eficácia da intercessão como eficiente arma de ataque ao adversário de nossas almas.
 Se quisermos ter vitórias no mundo espiritual, precisamos conhecer o nosso adversário, contra quem estamos em constante batalha. Segue abaixo uma ilustração sobre o que seria uma reunião no inferno:

UMA REUNIÃO NO INFERNO
 Satanás: Amigos vamos discutir sobre os cristãos comprometidos com Jesus. Vocês sabem que eles se reúnem para orar, e isso tem que ser evitado.
 Lúcifer: Concordo. Que cosa detestável é a oração! Temos que acabar com a oração dos justos. Elas podem muito em seus efeitos!
 Apesar de tudo que já fizemos, enquanto dois ou três se reunirem para orar, corremos perigo!
 Espírito de Preguiça: Quero contribuir. Vou sugerir que as reuniões sejam em lugares distantes ou que o tempo não está bom ou ainda que bons filmes estarão passando na TV, e assim impeço que os cristãos se reúnam para orar.
 Espírito de Dúvida: Lançarei a duvida quanto às promessas da Palavra de Deus!
 Espírito de Profanação: Eu farei com que alguns não prestem atenção e fiquem cochichando e brincando durante o culto!
 Espírito de Comodismo: Darei o meu auxilio fazendo com que alguns pensem que não precisam ir a igreja, que podem orar e aprender a sós, em suas casas.
 Espírito de Suspeita: Vou semear a desconfiança fazendo com que alguns se julguem desprezados e menos importantes na igreja, e assim deixem de freqüentá-la.
 Espírito de Engano: Eu me encarrego de iludir alguns, fazendo-os pensar que são melhores, mais santos, e os deixarei mais preocupados em se mostrar para os homens do que para cultuar a Deus.
 Satanás: Vamos destruí-los acabando com as assembléias dos santos
(surge um espírito vindo da terra)
 Espírito Mensageiro de satanás: Trago péssimas noticias. Alguns intercessores  sinceros e dedicados assumiram o compromisso de orar independente de qualquer circunstancia.
 Lúcifer: Mas é pouca gente. “Uma andorinha só não faz verão”.
 Satanás: São poucos, mas é gente que crê! E se eles crêem, nada podemos fazer! Mais cedo ou mais tarde, pela fé, conseguem transformar a situação que provocamos! Nada podemos fazer contra a fé dos que amam a JESUS...
E a reunião acabou...  
 Esta é uma ilustração que mostra o quanto o inimigo trabalha de forma articulada contra a Igreja de Cristo, nos exortando a estar sempre vigilantes.

CARACTERÍSTICAS DE UM INTERCESSOR
Unção. Todo intercessor precisa possuir a unção de Deus. Em Atos 1.8 está escrito: “Mas recebereis Poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até os confins da terra”.
 A palavra UNGIR, significa capacitar, autorizar, habilitar a uma pessoa para que faça algo. Esta unção irá diferenciar o intercessor daqueles que apenas oram por alguma necessidade, uma vez que sua condição não lhe permite cessar de interceder enquanto não obtém a resposta ao seu clamor. O intercessor sente o peso da necessidade em sua alma, o que faz com que considere, sempre, a urgência do ministério que lhe foi atribuído pelo Senhor. 
 Santificação e Consagração. Estas são armas de defesa de um intercessor (II Tm 2.21) “De sorte que, se alguém se purificar dessas coisas, será vaso para honra, santificado e idôneo para o uso do Senhor e preparado para toda boa obra”. Deus, jamais usará um intercessor despreparado, indisciplinado, desorganizado, sem consciência do que realmente significa a Obra para a qual foi chamado.
 Para ser um intercessor segundo o coração de Deus, é fundamental um viver santo, que é a característica de todos os servos e servas do Senhor. “Santificai-vos, porque amanhã farei maravilhas no meio de vos” (Josué 3.5).
Discernimento. Todo intercessor precisa empunhar em todo tempo essa Arma de Defesa. O Senhor Jesus a usava constantemente, por esta razão sempre foi vitorioso nos confrontos com as forças espirituais opositoras. O discernimento é um Dom do Espírito Santo para perceber o que está no espírito do homem. Seu propósito é ver o que está oculto dentro da natureza humana. “A teu servo, pois, dá um coração entendido para julgar o teu povo, para que prudentemente discirna entre o bem e o mal...” (I Rs 3.9).
Jejum. É uma Arma de Apoio para o intercessor. Através dele, mortificamos a carne e fortalecemos o espírito, nos tornando mais aptos para a batalha espiritual.
• O Povo de Israel obteve grandes vitórias (I Sm 7.6)
• A Palavra profética exorta promover o jejum (Jl 1.14)
• Foi praticado por Moises (Ex 34.2)
• Daniel foi vitorioso porque jejuou (Dn 10.3)
• Os líderes da Igreja de Cristo devem jejuar.     

A IMPORTANCIA DA AMADURA DE DEUS (Ef 6.10-18)
1 – O Cinto da Verdade

• Ele é o principio – a primeira de todas as coisas
• Ele combate toda mentira, falsidade e engano
• A verdade nos diz quem somos e quem é o inimigo
• A verdade nos dá uma visão correta dos campos de batalha
• A verdade cingida nos lombos nos dá firmeza na hora da batalha
• Ela triunfa de forma final e total sobre os inimigos
• Ela está ligada ao caráter e com ele se relaciona.
2 – A Couraça da Justiça
• Serve de proteção eficaz contra os ataques do inimigo
• Sem a justiça a armadura fica vulnerável
• A verdade atua no íntimo, a justiça no exterior
• Ela cobre os órgãos vitais do corpo e os protegem
• É a própria justiça de Deus que nos dá proteção
3 – O Evangelho da Paz
• Com os pés desprotegidos os soldados não podem caminhar
• Exercito que marcha vitoriosamente deixando marcas de paz
• Se faz presente onde deus enviar
• É conduzido no caminho da retidão
• Significa prontidão, ordem, submissão e atenção.

4 – O Escudo da Fé
• Protege o soldado da cabeça aos pés
• Revela uma postura espiritual adequada
• Neutraliza e destrói totalmente os dardos do inimigo
• Revela as convicções da alma do intercessor
• Cresce, agiganta-se, quanto mais for utilizado.
5 – O Capacete da Salvação
• A Cabeça “mente” é alvo prioritário do inimigo
• As crises de consciência têm que estar resolvidas
• De forma alguma os soldados podem “perder a cabeça”
• É impossível batalhar sem o capacete
• Consciência, certeza, confiança e convicção da salvação.
6 – A Espada do Espírito (Arma de Ataque)
• Como Espada ela fere, corta, penetra e mata (He 4.12);
• Como fogo ela aquece, ilumina, queima e devora (Jr 23.29);
• Como Água ela limpa, purifica e mata a sede (Ef 5.26);
• Como Luz ela expulsa as trevas, e traz calor (Sl 119.105);
• Como Medicina ela cura, restaura e dá vigor (Sl 107.20);
• Como Pão Espiritual ela fortalece e dá vida (Mt 4.4).
7 – Vigilância e Oração (Arma de Ataque e Defesa)
• O Espírito Santo nos ajuda na oração (Rm 8.26-27);
• Ela sobe como incenso ao Senhor (Ap 8.3);
• Quando oramos elevamos a alma ( Sl 5.1);
• Orar e derramar o coração diante do Pai (Sl 62.8);
• Pela oração nos chegamos a Deus (Hb 10. 22);
• Orar é implorar ao Senhor a benção Divina (Êx 32.11).

EXEMPLOS BÍBLICOS DE INTERCESSORES
Neemias. Inconformado com a situação da sua cidade deixou a zona de conforto no Palácio real e foi interceder por Jerusalém. Ele ouviu o chamado de Deus e se propôs a fechar as brechas dos muros da cidade em ruínas (Ne 1.1-11).
Daniel. Levado ao cativeiro, assumiu a postura de intercessor de seu povo e, através do jejum e oração experimentou vitórias (Dn 1.1-21; 9.21-23; 10.2).
Jeremias. Lamentou, orou e intercedeu pelo seu povo (Jr 8.18-22; 9.1).
Comentarios Facebook
Comentarios Blogger

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu Comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Início

Vigilia com Padre Paulinho da Comunidade Canção Nova

Vigilia com Padre Paulinho da Comunidade Canção Nova
Marcelo



Teste Teste 1

Teste Teste 2

Teste Teste Teste

 
back to top