sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Arma de ataque !!!


A INTERCESSÃO COMO ARMA DE ATAQUE E DE DEFESA

“Porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim
contra os Principados e Potestades, contra os dominadores       
deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes” (Ef 6.12).
 O inimigo de nossas almas vive em constante batalha, para levar a efeito os seus planos diabólicos, aproveitando-se do desconhecimento de muitos, que pela falta de intimidade com Deus, despreza a Armadura do Senhor deixada a nossa disposição, com a qual estaremos revestidos para o embate contra o inimigo.
 A Igreja de Cristo, tendo como principal Missão, dar continuidade da Obra que Jesus iniciou (I Jo 3.8b), necessita agora de um revestimento espiritual para assumir o seu papel de intercessora, tendo em vista a importância das suplicas e orações em favor dos necessitados “Muito pode, por sua eficácia, as suplicas dos justos” (Tg 5.16). Desta forma, iremos considerar alguns aspectos que demonstram a eficácia da intercessão como eficiente arma de ataque ao adversário de nossas almas.
 Se quisermos ter vitórias no mundo espiritual, precisamos conhecer o nosso adversário, contra quem estamos em constante batalha. Segue abaixo uma ilustração sobre o que seria uma reunião no inferno:

UMA REUNIÃO NO INFERNO
 Satanás: Amigos vamos discutir sobre os cristãos comprometidos com Jesus. Vocês sabem que eles se reúnem para orar, e isso tem que ser evitado.
 Lúcifer: Concordo. Que cosa detestável é a oração! Temos que acabar com a oração dos justos. Elas podem muito em seus efeitos!
 Apesar de tudo que já fizemos, enquanto dois ou três se reunirem para orar, corremos perigo!
 Espírito de Preguiça: Quero contribuir. Vou sugerir que as reuniões sejam em lugares distantes ou que o tempo não está bom ou ainda que bons filmes estarão passando na TV, e assim impeço que os cristãos se reúnam para orar.
 Espírito de Dúvida: Lançarei a duvida quanto às promessas da Palavra de Deus!
 Espírito de Profanação: Eu farei com que alguns não prestem atenção e fiquem cochichando e brincando durante o culto!
 Espírito de Comodismo: Darei o meu auxilio fazendo com que alguns pensem que não precisam ir a igreja, que podem orar e aprender a sós, em suas casas.
 Espírito de Suspeita: Vou semear a desconfiança fazendo com que alguns se julguem desprezados e menos importantes na igreja, e assim deixem de freqüentá-la.
 Espírito de Engano: Eu me encarrego de iludir alguns, fazendo-os pensar que são melhores, mais santos, e os deixarei mais preocupados em se mostrar para os homens do que para cultuar a Deus.
 Satanás: Vamos destruí-los acabando com as assembléias dos santos
(surge um espírito vindo da terra)
 Espírito Mensageiro de satanás: Trago péssimas noticias. Alguns intercessores  sinceros e dedicados assumiram o compromisso de orar independente de qualquer circunstancia.
 Lúcifer: Mas é pouca gente. “Uma andorinha só não faz verão”.
 Satanás: São poucos, mas é gente que crê! E se eles crêem, nada podemos fazer! Mais cedo ou mais tarde, pela fé, conseguem transformar a situação que provocamos! Nada podemos fazer contra a fé dos que amam a JESUS...
E a reunião acabou...  
 Esta é uma ilustração que mostra o quanto o inimigo trabalha de forma articulada contra a Igreja de Cristo, nos exortando a estar sempre vigilantes.

CARACTERÍSTICAS DE UM INTERCESSOR
Unção. Todo intercessor precisa possuir a unção de Deus. Em Atos 1.8 está escrito: “Mas recebereis Poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até os confins da terra”.
 A palavra UNGIR, significa capacitar, autorizar, habilitar a uma pessoa para que faça algo. Esta unção irá diferenciar o intercessor daqueles que apenas oram por alguma necessidade, uma vez que sua condição não lhe permite cessar de interceder enquanto não obtém a resposta ao seu clamor. O intercessor sente o peso da necessidade em sua alma, o que faz com que considere, sempre, a urgência do ministério que lhe foi atribuído pelo Senhor. 
 Santificação e Consagração. Estas são armas de defesa de um intercessor (II Tm 2.21) “De sorte que, se alguém se purificar dessas coisas, será vaso para honra, santificado e idôneo para o uso do Senhor e preparado para toda boa obra”. Deus, jamais usará um intercessor despreparado, indisciplinado, desorganizado, sem consciência do que realmente significa a Obra para a qual foi chamado.
 Para ser um intercessor segundo o coração de Deus, é fundamental um viver santo, que é a característica de todos os servos e servas do Senhor. “Santificai-vos, porque amanhã farei maravilhas no meio de vos” (Josué 3.5).
Discernimento. Todo intercessor precisa empunhar em todo tempo essa Arma de Defesa. O Senhor Jesus a usava constantemente, por esta razão sempre foi vitorioso nos confrontos com as forças espirituais opositoras. O discernimento é um Dom do Espírito Santo para perceber o que está no espírito do homem. Seu propósito é ver o que está oculto dentro da natureza humana. “A teu servo, pois, dá um coração entendido para julgar o teu povo, para que prudentemente discirna entre o bem e o mal...” (I Rs 3.9).
Jejum. É uma Arma de Apoio para o intercessor. Através dele, mortificamos a carne e fortalecemos o espírito, nos tornando mais aptos para a batalha espiritual.
• O Povo de Israel obteve grandes vitórias (I Sm 7.6)
• A Palavra profética exorta promover o jejum (Jl 1.14)
• Foi praticado por Moises (Ex 34.2)
• Daniel foi vitorioso porque jejuou (Dn 10.3)
• Os líderes da Igreja de Cristo devem jejuar.     

A IMPORTANCIA DA AMADURA DE DEUS (Ef 6.10-18)
1 – O Cinto da Verdade

• Ele é o principio – a primeira de todas as coisas
• Ele combate toda mentira, falsidade e engano
• A verdade nos diz quem somos e quem é o inimigo
• A verdade nos dá uma visão correta dos campos de batalha
• A verdade cingida nos lombos nos dá firmeza na hora da batalha
• Ela triunfa de forma final e total sobre os inimigos
• Ela está ligada ao caráter e com ele se relaciona.
2 – A Couraça da Justiça
• Serve de proteção eficaz contra os ataques do inimigo
• Sem a justiça a armadura fica vulnerável
• A verdade atua no íntimo, a justiça no exterior
• Ela cobre os órgãos vitais do corpo e os protegem
• É a própria justiça de Deus que nos dá proteção
3 – O Evangelho da Paz
• Com os pés desprotegidos os soldados não podem caminhar
• Exercito que marcha vitoriosamente deixando marcas de paz
• Se faz presente onde deus enviar
• É conduzido no caminho da retidão
• Significa prontidão, ordem, submissão e atenção.

4 – O Escudo da Fé
• Protege o soldado da cabeça aos pés
• Revela uma postura espiritual adequada
• Neutraliza e destrói totalmente os dardos do inimigo
• Revela as convicções da alma do intercessor
• Cresce, agiganta-se, quanto mais for utilizado.
5 – O Capacete da Salvação
• A Cabeça “mente” é alvo prioritário do inimigo
• As crises de consciência têm que estar resolvidas
• De forma alguma os soldados podem “perder a cabeça”
• É impossível batalhar sem o capacete
• Consciência, certeza, confiança e convicção da salvação.
6 – A Espada do Espírito (Arma de Ataque)
• Como Espada ela fere, corta, penetra e mata (He 4.12);
• Como fogo ela aquece, ilumina, queima e devora (Jr 23.29);
• Como Água ela limpa, purifica e mata a sede (Ef 5.26);
• Como Luz ela expulsa as trevas, e traz calor (Sl 119.105);
• Como Medicina ela cura, restaura e dá vigor (Sl 107.20);
• Como Pão Espiritual ela fortalece e dá vida (Mt 4.4).
7 – Vigilância e Oração (Arma de Ataque e Defesa)
• O Espírito Santo nos ajuda na oração (Rm 8.26-27);
• Ela sobe como incenso ao Senhor (Ap 8.3);
• Quando oramos elevamos a alma ( Sl 5.1);
• Orar e derramar o coração diante do Pai (Sl 62.8);
• Pela oração nos chegamos a Deus (Hb 10. 22);
• Orar é implorar ao Senhor a benção Divina (Êx 32.11).

EXEMPLOS BÍBLICOS DE INTERCESSORES
Neemias. Inconformado com a situação da sua cidade deixou a zona de conforto no Palácio real e foi interceder por Jerusalém. Ele ouviu o chamado de Deus e se propôs a fechar as brechas dos muros da cidade em ruínas (Ne 1.1-11).
Daniel. Levado ao cativeiro, assumiu a postura de intercessor de seu povo e, através do jejum e oração experimentou vitórias (Dn 1.1-21; 9.21-23; 10.2).
Jeremias. Lamentou, orou e intercedeu pelo seu povo (Jr 8.18-22; 9.1).

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu Comentário