sexta-feira, 25 de junho de 2010

Avatar...



O canadense James Cameron certamente superou-se com toda sua proeza técnica ao produzir Avatar. A apresentação visual de Cameron compensa largamente a falta de conteúdo do filme. O roteiro da mega-produção não passa de mais um capítulo dessa constante em Hollywood: uma reiterada negação da doutrina católica e uma bizarra solução gnóstica e igualitária para os problemas de hoje.
Alguém poderia perguntar o que está por trás deste nome escolhido por Cameron para o filme: AVATAR. Esta palavra refere-se à encarnação para a forma humana da divindade hinduísta chamada Vishnu: o deus que mantém a tríade sagrada hindu. Hoje em dia é comumente entendida como um "alter ego" virtual da nossa era da informática. Daí surge a questão: o que Cameron está tentando nos ensinar?
O filme apresenta a tribo extraterrestre Na'vi do planeta Pandora como seres eco-panteístas que vivem em uma suposta harmonia perfeita com a natureza. Eles são agredidos pelos gananciosos empresários humanos que recebem apoio dos Marines (militares americanos), numa tentativa de expropriar os tais Na'vi de suas terra e suas riquezas. Isso parece mais com uma versão "technocolor" dos males trazidos pelo expansionismo e pelos grandes descobrimentos do século XVI. Uma idéia infelizmente ensinada em todas as escolas do Brasil atualmente.
A história narra o intuito de uma missão da Terra de explorar uma mina que produziria um muito valioso minério. Mas para isso, os humanos têm de expulsar os extraterrestres nativos. Estes são humanóides de mais de 3 metros de altura, com caldas e longas tranças de cabelo. Ironicamente, são muito parecidos com as inúmeras ilustrações de demônios que estamos acostumados a ver na tradição católica por séculos.
O motivo principal da exploração de Pandora é o fato de o homem ter consumido todos os recursos naturais da Terra. A coleta do tal valioso minério de Pandora irá destruir a pureza desta cultura alienígena perfeitamente harmônica com a natureza. Isso não é uma mensagem subliminar. Pelo contrário, é explicita, salta aos olhos: o homem e tudo que ele faz é mal; a "natureza" e os extra-terrestres são bons.
Os humanos várias vezes fracassam em submeter os habitantes e convencê-los a saírem da sua vila que está construída sobre uma grande árvore, embaixo da qual é encontrado o deposito do valioso minério. Os humanos então produzem alguns corpos humanóides em laboratório, para os quais eles transferem o "espírito" de alguns humanos voluntários para que eles se infiltrem no meio dos extraterrestres. Durante a noite, quando os espiões humanóides estão dormindo, os cientistas trazem de volta seu "espírito" através de uma máquina para seus respectivos corpos e recolhem as informações obtidas por eles. A migração da alma do homem para os humanóides dá-se por meio do poder de uma árvore. Isso não parece com os druidas?
Em certa parte da história, alguns desses voluntários humanóides se tornam amigos dos Na'vis, e acabam se rebelando contra a tentativa de dominá-los e lutam do lado deles contra os humanos. Cameron chega até a colocar um romance para acrescentar um apelo sentimental ao filme. O herói do enredo acaba por se apaixonar por uma extraterrestre Na'vi e se torna seu companheiro.
Durante todo o filme, há cenas explícitas de panteísmo em que os nativos se comunicam com animais e plantas através dos seus cabelos. No final, os humanóides derrotam e expulsam os seres humanos através do auxílio de animais, apesar das armas sofisticadas dos humanos. O herói acabar por desistir de sua natureza humana definitivamente para viver como humanóide Na'vi.
Enquanto impressiona a audiência com um aspecto puramente secundário, ou seja, a apresentação técnica, o filme evoca uma simpatia eco-emocional para com os eco-panteístas da tribo Na'vi e o ódio para com os agressores imperialistas humanos. Esta bizarra ilusão que Cameron apresenta é o tema principal do filme. Pandora é o mundo perfeito para onde devemos progredir. A mensagem básica nega qualquer idéia de Criação, Pecado Original, Redenção, Sacramentos, Graça, Julgamento, Céu e Inferno. Pode-se legitimamente perguntar se a tribo Na'vi faz parte da Criação. Eles foram remidos por Nosso Senhor? Eles irão para o Céu ou para o Inferno? Talvez a estranha idéia de Cameron seja nada mais do que uma reedição do mantra comunista: imagine que não há Céu nem Inferno, apenas natureza e homem e quando morrermos, tudo está acabado.
Não é de se estranhar que muitas pessoas, depois de assistirem a essa ficção bizarra, saem dos cinemas deprimidos, tentados ao suicídio e tendentes a perderem a fé. É o que diz a notícia do jornal Daily Mail (The Avatar effect: Movie-goers feel depressed and even suicidal at not being able to visit utopian alien planet): "O efeito Avatar: aqueles que assistem ao filme se sentem deprimidos e até com vontade de se suicidar por não poderem visitar um planeta alienígena utópico".
Quando a Sagrada Verdade não é professada nem praticada fluem abundantes erros para completar o vazio. Enquanto o mundo proclama o grande sucesso de Avatar, nós perguntamos: "Do que adianta o homem ganhar o mundo inteiro, se vier a perder sua alma?" Quanto mais por Avatar?